06/09/2016

319. Terça-feira da 23.ª Semana do Tempo Comum (P) - Oração: para estar com Jesus

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Meus queridos irmãos, no evangelho de hoje Jesus, depois de uma noite de oração, escolhe os seus 12 apóstolos e inicia o seu Sermão da Planície, que no evangelho de São Lucas é semelhante àquele Sermão da Montanha, iniciando com as Bem-Aventuranças.

O que é que esse evangelho tem para nos ensinar? Em primeiro lugar, vamos recordar, que o evangelho de São Lucas é o evangelho que apresenta o Jesus orante, e aqui existe algo de profundamente verdadeiro onde o Cristo manifesta o que Ele é realmente enquanto ser humano, ou seja, Ele é Deus que se fez homem e Ele veio nos ensinar a sermos humanos. O ser humano só é verdadeiramente, o ser humano que Deus sonhou, quando ele tem uma vida de oração, ou seja, o homem foi feito para Deus, foi feito para estar com Deus. Aqui, esta realidade do Cristo que ora, para nós deve ser um farol, uma luz que nos ilumina, para que nós tenhamos verdadeiramente esta vida íntima de oração com Deus.

Se o Cristo, filho de Deus feito homem, que tinha a visão beatífica, rezava, quem somos nós para dizer: "Eu não preciso rezar"? Mas a oração concreta do evangelho de hoje nos coloca duas coisas extraordinariamente importantes para a vida da Igreja: a primeira, a escolha dos 12 apóstolos, ou seja, aqui joga-se uma luz sobrenatural na realidade de que Jesus quer ser representado, no sentido forte da palavra, por homens escolhidos e escolhidos por Ele, divinamente e sobrenaturalmente.

A palavra apóstolo quer dizer "enviado", mas não somente no sentido de um missionário, mas enviado no sentido de embaixador, ou seja, uma pessoa símbolo, um instrumento da presença de Deus, da presença de Cristo. Os apóstolos são isso. Os apóstolos são enviados em nome de, eles agem em nome de, é aquilo que nós, na teologia, dizemos 'in persona Christi", ou seja, o apóstolo não é ele, quanto mais ele se esvaziar de si mesmo e for instrumento na mão do Cristo, tanto mais ele será apóstolo.

Então, veja, o chamado apostólico nasce da oração, nasce da oração do próprio Cristo, mas só irá subsistir também na oração, porque também os apóstolos precisam estar com o Cristo. Na passagem do Evangelho de São Marcos que nos fala da escolha da escolha dos 12 apóstolos, ele diz assim que Jesus escolheu os 12 e os constituiu para que estivessem com Ele e para envia-los. Essa é a realidade, ou seja, estar com Jesus, essa intimidade de estar com Cristo para depois poder envia-los em missão.

Então também o apóstolo precisa estar na intimidade com o Cristo na vida de oração. Se nós formos ver lá nos Atos do Apóstolos quando foi escolhido o substituto de Judas, São Matias, nós vemos que os apóstolos rezavam, para escolher esse novo substituto.

Também a Igreja deve rezar para escolher aqueles que são os novos apóstolos dos novos tempos, mas não somente isto, depois nos Atos dos Apóstolos, nós vemos que os diáconos são escolhidos porque os apóstolos dizem assim "não convém que nós deixemos o serviço da oração e da Palavra para cuidar das mesas", então, novamente aí, o apóstolo aquele que reza, aquele que está com Cristo exatamente para poder pregar, para poder ser aquele que transmite a Palavra. Essas duas coisas, essas duas realidades, o apóstolo nasce da oração e só subsiste enquanto apóstolo enquanto viver de oração.

Deus abençoe você.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Acima, a transcrição do vídeo.

Abaixo o texto do site:

Naqueles dias, Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus. Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos: Simão, a quem impôs o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado Zelota; Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, aquele que se tornou traidor.

Jesus desceu da montanha com eles e parou num lugar plano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judeia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. Vieram para ouvir Jesus e ser curados de suas doenças. E aqueles que estavam atormentados por espíritos maus também foram curados. A multidão toda procurava tocar em Jesus, porque uma força saía dele, e curava a todos.

Fazendo-se homem e vindo habitar no meio de nós, o Filho de Deus nos ensina como devemos conduzir nossa vida neste mundo para que ela, elevando-se sobre a pura animalidade, se torne autenticamente humana, segundo os desígnios do Criador. Por isso, nas passagens em que São Lucas nos apresenta o Senhor em oração temos uma prova clara de que fomos feitos para Deus e para estar com Ele, em comunhão e amizade: "Jesus", lemos no Evangelho desta terça-feira, "foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus." O Cristo que ora não o faz por adorno ou extravagância; Ele reza porque, sendo por si mesmo nosso Mestre e Senhor, quer que também nós rezemos. Ora, se Ele, que via o rosto celeste do Pai, fazia questão de pôr-se frequentemente em oração, quem somos nós para dizer: "Eu não preciso rezar"? Que grandes petulantes seríamos se recusássemos a medicina que o Senhor nos oferece, se fizéssemos pouco caso do exemplo que Ele nos ensina a seguir! Façamos hoje o propósito de começar a orar; passemos a reservar um tempo em nossa agenda sempre tão "carregada" para estarmos com Jesus e aprendermos com Ele como devemos amá-lO.

Espelho completo e corrigido do link com os textos, áudio transcritos, bibliografias e referências:
https://padrepauloricardo.org/episodios/oracao-para-estar-com-jesus