07/09/2016

320. Quarta-feira da 23.ª Semana Comum (P) - Bem-aventurados os pobres de espírito!

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Meus queridos irmãos e irmãs, nesse dia 7 de setembro queremos aqui pedir a Deus que na sua providência e no seu amor cuide do nosso país. E o evangelho de hoje, dentro do Sermão da Planície de São Lucas, Jesus apresenta aquelas Bem-Aventuranças que depois são contrapostas por uma série de "ais": Bem-aventurados os pobres, ai de vós, ricos.

O que é que o nosso país pode aprender desse evangelho? Estamos vivendo um momento de crise econômica, financeira no país e tanta gente está preocupada, quantos desempregados, quantas pessoas sofrendo, quantas famílias passando necessidade. Mas, o evangelho que nos fala do, bem-aventurados os pobres, nos coloca de volta nos trilhos, por quê? Porque nós precisamos ter com relação à vida espiritual a mesma atitude que a maior parte das pessoas tem com a vida material.

Veja, ninguém, absolutamente ninguém, é tão rico - materialmente falando - que não queira ter mais. Ou seja, essa é a atitude dos seres humanos, a gente tem dinheiro, a gente tem as coisas e as pessoas têm uma sede, uma sede cada vez maior de ter as coisas. O que é que isso significa, digamos, espiritualmente falando? Espiritualmente falando quer dizer o seguinte: materialmente as pessoas se sentem sempre pobres, ou seja, essa atitude espiritual de sentir-se pobre materialmente, que faz com que as pessoas procurem cada vez mais riquezas materiais. Eu preciso, eu tenho uma sede, eu preciso de mais, de mais, de mais, de mais... No entanto, o que Jesus quer nos ensinar é uma atitude de pobreza com relação às coisas espirituais, ou seja, esta atitude espiritual de quem se sente pobre, na verdade, paupérrimo, mendigo verdadeiramente, diante das coisas de Deus, das coisas espirituais, de queremos sempre mais espiritualmente, precisamos querer crescer espiritualmente, por quê? Porque isto é o que verdadeiramente importa.

O Brasil é um país com uma vocação altíssima. Nós somos a terra da Santa Cruz, somos a terra da Santa Cruz, fomos escolhidos por Deus para uma missão de nos evangelizarmos e evangelizarmos os povos. No entanto, a nossa vocação parece que está ficando para trás. Nós, ao invés de sentirmo-nos pobres das coisas espirituais e sentarmos como mendigos suplicando a graça de Deus para podermos crescer e nos santificar, nos sentimos cada vez mais pobres materiais e por isso obcecados corremos atrás do dinheiro. Mas o dinheiro não nos dará a salvação eterna.

Meus queridos, nesse dia 7 de setembro peçamos a Deus, nosso Senhor, debaixo de cuja cruz o nosso país nasceu, peçamos à Virgem Maria, debaixo de cujo manto estamos protegidos, peçamos ao anjo da guarda do nosso país, que nos reconduza nos trilhos da nossa verdadeira vocação. O Brasil é um país católico na sua vocação, mas, infelizmente, cada vez menos católico na realidade dos fatos. O problema, a raiz desse problema está exatamente nesta atitude de pobreza: nós nos sentimos pobres economicamente e essa é a nossa desgraça e nos sentimos ricos espiritualmente porque "Não, nós já somos cheios de fé, de Deus, de otimismo", mas é exatamente o contrário.

Nós fomos agraciados por Deus materialmente, já chega, temos tanta coisa. Por que nós não temos a mesma sede das coisas espirituais e não desencalhamos dessa mediocridade, desta mornidão espiritual? Por que é que nós verdadeiramente não sentimos fome e nem sede da graça de Deus para então, como pobres de espírito, desejarmos o que realmente irá nos salvar, irá nos dar o reino dos céus? Bem-aventurados os pobres de espírito. Ai de vós, ricos materialmente. Essa é a lição de Jesus para o Brasil no dia de hoje. Deus abençoe você.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Referência direto: https://padrepauloricardo.org/episodios/bem-aventurados-os-pobres-de-espirito-1