20/09/2016

O amor de Maria - HD331 - Terça-feira da 25.ª Semana do Tempo Comum (P)

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Meus queridos irmãos e irmãs, o evangelho de hoje é um evangelho que deixa algumas pessoas desconcertadas por causa da forma como Jesus reage com a Sua Mãe, ou seja, a Mãe de Jesus estava procurando Ele e Jesus então pergunta, "Quem é minha mãe, quem são meus irmãos? São aqueles que colocam em prática a Palavra da Deus".

Mas, o desconcerto está em quem não conhece a fé da Igreja, por quê? Porque durante séculos, exatamente este evangelho, que parece ser quase um evangelho que deixa a Virgem Maria de lado era usado pela Igreja nas missas em honra à Virgem Maria, ou seja, porque a Igreja escolhe justamente esse evangelho entre tantos para honrar a Virgem Maria? É porque nós cremos que a Virgem Maria merece a honra não por ser a Mãe biológica de Jesus, é importante nós nos darmos conta disso.

Aqui, eu sei que nós ficamos enternecidos, quando olhamos para esse relacionamento entre Jesus e Maria como relacionamento de mãe e filho porque todos nós nos identificamos, mas vamos, em primeiro lugar, ensinar como é que uma mãe deve amar o seu filho, vamos entender pra gente entender o amor da Virgem Maria por Jesus e, portanto, de Jesus para com a Virgem Maria.

Não existe virtude nenhuma, atenção, virtude nenhuma num amor natural da mãe pelo seu filho, por quê? Porque isto é uma realidade que está inscrita ma própria carne, ou seja, na própria realidade animal. A fêmea cuida da sua cria, portanto, eu não estou dizendo que o amor entre a mãe e o filho seja pecaminoso, estou dizendo que ele deixado ao seu instinto natural não tem virtude nenhuma. O que é que seria um amor pecaminoso? Seria quando eu amo uma pessoa por causa do prazer que ela me dá, quando eu amo uma pessoa por causa do dinheiro que ela tem ou por causa da vanglória.

No entanto, esse amor natural da mãe pelo filho é um amor neutro. O que é que nós precisamos fazer como bons cristãos? Precisamos erguer esse amor a um patamar a um nível superior. Como é que as mães cristãs devem amar os seus filhos para que esse amor seja virtuoso? Querendo a salvação da alma dos seus filhos.

Amando os seus filhos em Deus e querendo que eles se unam a Deus, aí estamos amando uma pessoa de verdade. Por que é que digo isso? Porque muitas vezes existem "amores" de mãe deslocados, a mãe quer fazer de tudo para que o seu filho não sofra, para que o seu filho não passe por necessidades, mas não se dá conta, por exemplo, que esta espécie de espiritualidade analgésica é que está fazendo com que seu filho seja cada vez mais egoísta e se perca.

Então, aqui, o evangelho nos diz: "Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a colocam em prática". Nós ouvimos esses dias a parábola do semeador, ouvimos a parábola da lâmpada que precisa ser colocada num candelabro, são todas palavras que nos falam de como a Palavra de Deus precisa ser acolhida.

Agora mais uma vez a Palavra de Deus pode ser acolhida e nos faz o quê? Nos faz parentes de Deus. Eis aí que aqui se eleva, nos elevamos fora da simples realidade carnal. No Antigo Testamento Deus escolhe um povo, os filhos de Abraão, que são sua descendência carnal, agora com a Igreja, a descendência vem pela fé, pelo acolhimento sincero da Palavra de Deus.

Então, nós precisamos transmitir a vida para os nossos filhos, mas uma vida verdadeira, a vida do céu, não simplesmente a vida carnal, esta irá apodrecer no túmulo. Precisamos amá-los como Jesus amou a Sua Mãe, Jesus amou Maria, não tanto porque Ela deu a Ele a sua carne, mas porque Ela deu a Ele a sua fé e um amor, um amor tão extraordinário que lá, na pequena casa de Nazaré com o amor de Maria, Jesus era cultuado com o amor mais sublime e mais elevado, o amor dos próprios serafins do céu.

Nem a corte celeste dos anjos, honrando a Santíssima Trindade deu a Jesus o culto sublime que Ele recebeu de Maria em Nazaré, por quê? Porque Ela ao receber a Palavra de Deus com a sua fé imensa, Ela muito amou.

Deus abençoe você.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Acima, texto transcrito do vídeo:


Abaixo, texto do site:



Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 8, 19-21)

Naquele tempo: A mãe e os irmãos de Jesus foram procurá-lo, mas não podiam chegar-se a ele por causa da multidão. Foi-lhe avisado: "Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e desejam ver-te". Ele lhes disse: "Minha mãe e meus irmãos são estes, que ouvem a palavra de Deus e a observam".

O Evangelho que a Igreja hoje proclama e que durante séculos foi empregado nas celebrações em honra a Maria Santíssima vem recordar-nos que a verdadeira grandeza de Nossa Senhora não está tanto em ela ser mãe biológica de Jesus quanto em ser aquela humilíssima escrava que, mais do que toda criatura, "ouve a palavra de Deus e a observa".

Por isso, a beleza do amor de Maria por seu Filho não decorre daquele afeto natural e, por assim dizer, "instintivo" que as mães costumam ter por suas crias, mas da caridade sobrenatural com que ela O amou e ainda ama como ao seu Deus e Senhor. É neste amor sublime da Virgem Imaculada que as mães cristãs encontram um modelo perfeitíssimo de como amar seus próprios filhos: amá-los, não já com um apego doentio e egoísta, mas confiando-os aos cuidados do Pai; amá-los, não para poupá-los de toda cruz e adversidade, mas para fortalecê-los na virtude, educar-lhes a vontade, fazê-los fortes em espírito, a fim de alcançarem um dia a eterna salvação.

À semelhança pois da Virgem Santíssima, as mães cristãs devem ter consciência de que seus pequenos, mais do filhos de suas entranhas, são filhos e familiares de Deus; e é, portanto, para a glória de Deus que a formação deles deve ordenar-se. Peçamos hoje à Nossa Senhora que interceda especialmente por todas as mães católicas, para que elas, superando os afetos da natureza e amando a Cristo em seus filhos, façam-nos nascer para a vida sempiterna que há de vir.


-------

Espelho completo e corrigido do link com os textos, áudio transcritos, bibliografias e referências:
https://padrepauloricardo.org/episodios/o-amor-de-maria