22/09/2016

A vã curiosidade - HD333 - Quinta-feira da 25.ª Semana do Tempo Comum (P)

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Meus queridos irmãos, no Evangelho de hoje, Herodes procura ver Jesus e existe algo de malsão, algo de doente neste querer ver Jesus. Não sei se você assistiu àquele filme do Mel Gibson, "A Paixão de Cristo", que consegue retratar exatamente este lado de Herodes. Herodes entra na sala com aquele olhar inquisidor e cheio de curiosidade de quem quer ver Jesus como quem vê um mágico no circo, ou seja, "faça um milagre para mim, mostre os seus poderes", por quê? Porque ali existe um problema, existe uma doença na alma de todos os seres humanos que nós precisamos curar, é uma curiosidade maus, curiosidade doente.

Deixa eu explicar para você: São João na Primeira Carta, diz assim: "Existem três coisas no mundo: a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida", isto que leva o mundo para o pecado. Aqui nós estamos falando da concupiscência dos olhos, ou seja, no ser humano existem aqueles instintos que nós temos em comum com os animais, é a concupiscência da carne. É você querer o conforto, é você querer comida, é você querer bebida, é você querer sexo, isso os animais também têm.

Mas existe uma coisa que os animais não têm, os animais não têm esta sede de conhecimento que nós temos, por quê? Porque Deus nos fez para a verdade. deus nos fez não somente para buscarmos a verdade, mas nos fez para amar a verdade. Nós precisamos buscá-la e amá-la porque Deus é a verdade e a verdade não somente nos ilumina, ela também nos aquece e uma vez que nós, aquecidos por esta verdade, começamos a corresponder a ela, nós a ela nos entregamos e nos unimos a ela para todo o sempre.

Esse é o projeto de Deus, é para isso que Deus nos chama. Pois bem, como o diabo costuma fazer, ele pega as coisas boas, as coisas que Deus nos deu e perverte. É assim que nós, que somos chamados para o conhecimento da verdade, somos arrastados pela curiosidade. Ao invés de verdadeiramente dedicarmos a nossa vida a uma busca da verdade e cada vez que a gente encontra essa verdade, a gente ama cada vez mais e se entrega cada vez mais e se apaixona cada vez mais por ela, nós ficamos feitos "barata tonta", ou seja, ficamos feito uma biruta, sem saber para que lado nós vamos.

E é exatamente aqui que tantas pessoas perdem a sua vida, perdem a sua vida porque, porque ao invés de buscarem a verdade ficam buscando noticiazinhas, no WhatsApp, no Facebook, no Instagram, agora inventaram até o PokemonGo, tudo isso são coisas que nós deveríamos estar buscando a verdade, mas ficamos buscando coisinhas.

Dentro de nós existe um Herodes e a dificuldade de ter um Herodes dentro de nós com essa concupiscência dos olhos é que Deus passa e nós não notamos a sua passagem. Eis aí, Santo Agostinho nos recorda, "timeo Deum transeuntem", eu tenho medo do Deus que passa, e aí quando passou, passou a ocasião. Ele passou na minha vida, mas eu não tomei aquela ocasião, não agarrei aquela ocasião de mudar de vida e de abraçar a verdade. Lá estava Herodes no julgamento de Cristo, com a Verdade diante dele, mas ele não foi capaz de reconhecê-la, por quê? Porque ele estava perdido na sua "curiosas", na sua mania da concupiscência dos olhos, de ver novidades.

Cristo, que nós temos, é a verdade tão antiga e tão nova, a verdade que vem para iluminar a nossa vida interior, aquecê-la para que nós possamos nos unir a Ele apaixonadamente.


Deus abençoe você.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.


Acima, texto transcrito do vídeo:


Abaixo, texto do site:


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 9, 7-9)

Naquele tempo, o tetrarca Herodes ouviu falar de tudo o que estava acontecendo, e ficou perplexo, porque alguns diziam que João Batista tinha ressuscitado dos mortos. Outros diziam que Elias tinha aparecido; outros ainda, que um dos antigos profetas tinha ressuscitado. Então Herodes disse: "Eu mandei degolar João. Quem é esse homem, sobre quem ouço falar essas coisas?" E procurava ver Jesus.

O homem foi feito para buscar e conhecer a verdade. É para isto, aliás, que estão ordenadas todas as nossas potências, tanto interiores quanto exteriores: sentidos, memória, imaginação e razão, todo este "aparato", com efeito, nos foi dado por Deus para que, perseguindo neste mundo a verdade sobre as coisas, buscássemos fundamentalmente a Ele, que é por si mesmo a própria Verdade subsistente. Pelo pecado, porém, esta nossa natural inclinação a conhecer a realidade perverteu-se, de certo modo, em concupiscência dos olhos, em vã curiosidade.

Procuramos, não já a verdade que liberta e apaixona, que revela e muda-nos a vida, mas mexericos e futilidades, espetáculos que fascinem e deleitem a vista. Trata-se do desejo que está por trás daquele "E procurava ver Jesus" que vemos referido a Herodes no Evangelho de hoje: ver, não para de fato conhecer a Cristo e a Ele converter-se, mas a fim de satisfazer um capricho, um desejo de momento. O ímpio tetrarca teve a chance de encontrar-se com Aquele que o criou, mas, metido em sua curiosidade, permitiu que Ele passasse por sua vida sem deixar rasto. 

Não o façamos nós; não permitamos que Deus, vindo visitar-nos, encontre o nosso coração perdendo tempo e ocupado com tolices. Peçamos-Lhe, pois, que nos dê vigilância e amor sincero à verdade, para que a nada nos entreguemos senão à tarefa de O buscarmos e amarmos sobre todas as coisas.

-------

Espelho completo e corrigido do link com os textos, áudio transcritos, bibliografias e referências:
https://padrepauloricardo.org/episodios/a-va-curiosidade